domingo, 14 de maio de 2017

DIA DAS MÃES - O que Clash Royale, youtube e persistência tem a ver

Hoje é Dia das Mães. E o que mais li, ouvi e escutei nos últimos dias foram mensagens fofas, lindas e emocionantes, muitas delas que me fizeram chorar de verdade de emoção. Ser mãe e realmente divino. Mas se um filho não existe sem uma mãe, a recíproca também é verdadeira. E, hoje, no "meu" dia,  deu vontade de escrever sobre eles, a razão de tudo, e os responsáveis pelo meu título de mãe: meus filhos.

Matheus é muito curioso e ligado em tecnologia. No ano passado encasquetou que queria ser youtuber. E, eu, sou avessa à tecnologia, para desespero do moleque, que me atormentava pedindo ajuda para fazer, gravar, editar e postar vídeos dele. A insistência dele me fez mergulhar num universo que até então era completamente desconhecido para mim. Procura daqui, pesquisa dali, e me vi produzindo, gravando e editando pequenos vídeos caseiros dos meus meninos. Tudo muito longeeeeeeeeeeeeee de ser profissional, mas para a finalidade que é, foi satisfatório tanto para mim, quanto para eles. 

Mas ele sempre queria mais. Matheus queria muito aprender a gravar vídeos como os youtubers famosos da geração dele gravam. Onde aparece apenas a voz do garoto e a tela do jogo que estão jogando. O jogador vira uma espécie de narrador onde comenta cada passo, casa jogada, cada caminho a ser desbravado durante a partida. Eu não sabia. Não fazia a menor ideia como isso era feito. E estava atribulada com tantos trabalhos. Joguei a toalha e disse que não conseguiria ajudá-lo dessa vez. Que agora, nesse momento não conseguiria pesquisar sobre isso. Ele compreendeu, mas estava com a ideia fixa na cabeça. E, como sempre escutou aqui em casa, não desistiu de seu sonho. 

Na semana passada, enquanto ajudava o irmão num jogo, viu um anúncio de um aplicativo na internet. Mais do que depressa, deu um estalo. Era o que ele tanto queria. Descobriu um aplicativo que tinha essa tal função, que ele procurava há meses. Instalou no seu tablet. Sozinho descobriu como funcionava e testou o primeiro vídeo. Deu certo. Alguns minutos depois, com os olhos cheios de lágrimas (sim, ele é canceriano, chora fácil na alegria e na tristeza rs), veio correndo me mostrar. "Mãeeeeeeee consegui! Você não vai acreditar! Consegui gravar meu jogo sozinho!!!!". E compartilhou comigo aquela conquista tão importante para ele. Ele escolheu dividir comigo esse momento de conquista, descoberta e satisfação. 

Orgulhosa, disse a ele que estava muito feliz pela persistência dele em fazer o que tanto queria. E a resposta foi encantadora: "Mãe você fala o tempo todo para gente não desistir e sempre disse que eu conseguiria. Eu acreditei e deu certo!". 

É isso. Acredito na capacidade do ser humano. Acredito que o encorajamento, uma palavra de apoio, o incentivo são fundamentais para nos fazer acreditar em nós mesmos. Mat e Rafa são estimulados sim o tempo todo. E quando vejo situações como essas sinto que estamos no caminho certo. O mérito, claro, foi todo dele. Ele acreditou no seu potencial, não teve preguiça de buscar o que queria e, no tempo certo, realizou seu sonho... que pode até não ser especial para os outros, mas para ele, nesse momento, foi uma vitória. 

São esses "presentes", que ganho no dia a dia, que são os mais valiosos da vida. A maternidade é transformadora. É libertadora. É espelho, é reflexo, é luta diária, mas é também vitória, conquista, alegria sem fim. 

Mat saber que você está se tornando esse menino curioso, sonhador e focado nos seus objetivos é realmente encantador. 

Rafa está no mesmo caminho... E tem o espelho do irmão para seguir sua trajetória sempre muito empolgado e com vontade de explorar novos horizontes. 

E, como não poderia ser diferente, vou deixar aqui o link Clash Royale - Mat Craft do tal vídeo feito pelo Mat, que certamente tem um significado muito maior do que ele imagina... Por traz desse simples joguinho de lutas e batalhas tem um menino forte, curioso e focado, que está "lutando" para conseguir o que tanto deseja. Continue assim, meninão! 

Vocês dois são os meus verdadeiros presentes nesse Dia das Mães e em todos os outros dias do ano! 

Feliz Dia das Mães para todas nós! 



terça-feira, 9 de maio de 2017

VIAGEM EM FAMÍLIA - Gonçalves-MG é lugar de criança sim!

Segui meu coração e, na contramão do que algumas pessoas diziam, levei minha família para Gonçalves, sul de Minas Gerais. O resultado foi quatro dias de pura contemplação, muita paz interior e uma alegria sem fim. 

No início do ano, durante uma conversa em família, chegamos à conclusão que não faríamos festa grande de aniversário esse ano. E, que dessa forma, conseguiríamos reservar uma graninha e "fugir" de São Paulo por alguns dias. Poucos dias, mas o necessário para desligarmos da agitação e correria diária. 

Como o "motivo" principal era o aniversário do Rafa, no final de abril, perguntei a ele onde ele tinha vontade de ir. A resposta foi imediata e categórica: "Quero ir para um lugar com muito mato! Quero mexer na terra. Quero verde!". Uau. Tão novinho (6 anos) e tão certo do que queria. Missão dada, missão aceita. E, diga-se de passagem, aceita com o maior orgulho! Afinal, também adoooooro tudo isso. 

Muitas hortênsias pelo caminho
Pensando no seu pedido resgatei um antigo sonho meu de conhecer Gonçalves, cidadezinha com pouco mais de 4 mil habitantes, localizada na Serra da Mantiqueira, sul de Minas Gerais. Mas tudo o que sempre escutei de amigos e também li na internet associava Gonçalves a um lugar perfeito para receber casais e não famílias com crianças. De janeiro até o início de março li muito sobre a cidade e cada vez mais encontrava referências confirmando essa teoria. Mesmo assim, algo lá no fundo me dizia "Vai pra lá, vocês vão curtir!". Um belo dia, estava eu no quarto pesquisando pousadas e hotéis na cidade, quando Rafa entrou repentinamente no quarto e olhando para a tela do notebook, gritou: "Uauuuuuu, quero ir nesse lugar um dia! Que lugar lindo, mãe!". Pronto. Nosso destino estava definido alí. Era lá que ficaríamos. O tal site era o da Pousada O Montanhês , um lugar realmente maravilhoso, localizada a 1750 metros de altitude, no topo de uma montanha. 

Reserva feita, destino confirmado, agora restava apenas aguardar. Na última semana bateu uma insegurança novamente. Será que tinha escolhido o lugar certo? E se lá realmente não fosse o melhor destino para ir com crianças? E agora? No meio de tantas dúvidas, ouvi de uma amiga muito querida, que conhece muito bem Gonçalves: "Esqueça tudo o que ouviu. Natureza e criança tem tudo a ver. Não tem como eles não gostarem". E, lá fomos nós, quinta-feira da semana passada, pegar estrada rumo ao sul de Minas. 

A cidadezinha realmente encanta logo de cara. Pacata, organizada, limpa e muito charmosa, Gonçalves é uma típica cidadezinha de montanha. O centrinho da cidade é uma graça e é lá onde está a maior parte do comércio e restaurantes locais. A pousada que ficamos é mais afastada: há 9 km do centro, no topo de uma montanha, com acesso fácil por uma estradinha sinuosa, mas em boas condições. 

Mat e Rafa na Cachoeira do Retiro
Mas, afinal, o que fazer com criança em Gonçalves? Descobrimos logo de cara: viver! Nos entregamos ao encanto da cidade e vivemos 4 dias maravilhosos. Para começar o verde das árvores e montanhas predomina. Visual mais lindo, não há. É daqueles lugares que faz bem para o corpo e para a alma. Mas não para por ai... Há 6 lindas cachoeiras abertas ao público. Há outras, mas parece que em propriedades particulares. Fomos em três em um mesmo dia. De carro você chega bem perto da Cachoeira Sete Quedas. Enorme, imponente, lindíssima. Uma caminhadinha de 100 metros apenas, por trilha de fácil acesso, chegamos na Cachoeira do Retiro. Pequena, charmosa, gelaaaaaada! Ali ficamos um bom tempo. Tiramos nossos tênis. Molhamos os pés na água. Os meninos brincaram com pinhões que caiam das inúmeras Araucárias, que tomam conta de toda a região. Momento de total contemplação. E os meninos? Amando tudo isso. Zero tédio para quem pensou que isso não é passeio de criança. Eles estavam amando e nos enchendo de perguntas sobre tudo o que viam e descobriam por ali. O próximo destino era a Cachoeira do Cruzeiro. Uma caminhada mais longa, de cerca de 1Km por trilha na mata. Pensei que o Rafa não fosse topar, mas ele foi o primeiro a pedir para seguirmos adiante. E que bom que seguimos. Na minha opinião é a mais linda das três. E a trilha até lá uma diversão à parte. Subidas, descidas, trechos de mata mais fechada, outros mais abertos onde tínhamos uma vista belíssima. Até vacas e bois encontramos num trecho em que a trilha passa por dentro de um pasto. Isso mesmo. Pedimos licença às vacas e seguimos nosso caminho. Um passeio encantador, que ficará para sempre em nossas memórias. 

Vista do quarto
Pousada Montanhês
A pousada que ficamos tem uma área verde muito ampla. Ali os meninos eram "bichos soltos". Correram, brincaram com galhos, "investigaram" formigueiros secos, chutaram bola, descobriram uma variedade tão grande de plantas, folhas e flores que nunca tinham visto. Foram felizes. E, de novo, em nenhum momento demonstraram tédio por "não ter o que fazer". Muito pelo contrário, eles sequer lembravam de tablet e joguinhos eletrônicos durante o dia. 

A gastronomia também é uma atração a parte. Comida gostosa, mineira, bem temperada, cheia de encanto agradou muito nossos paladares depois de cada passeio que gastava tanta energia entre subidas e descidas de picos, trilhas e morros. 

Há também em Gonçalves passeios de aventuras, organizados por empresas próprias e especializadas. Não fizemos, mas é uma dica bacana para quem estiver pela cidade. 

Na hora da escolha do hotel também priorizei um que tivesse piscina aquecida para ser uma saída em caso de chuva. E foi o que aconteceu. Na sexta-feira como estava mais chuvoso e friozinho, voltamos mais cedo para o hotel e ali eles puderam brincar e se aquecer na água quentinha. 

Meus meninos se adaptaram muito fácil ao local. Até na pequena quadra do Centro Comunitário Rural eles jogaram bola... rs No final, eu, que estava com tanto receio de ter feito a escolha errada, escutei do Rafa: "Mãe, porque a gente não pode morar aqui?". Quem sabe um dia, Rafa... quem sabe um dia. O que sabemos é que um dia voltaremos para lá. Gonçalves conquistou nossos corações. E, hoje, dois dias depois que saímos de lá, já bateu uma saudadezinha que só sentimos de lugares muito especiais... Valeu, Gonçalves! 


Família reunida na Cachoeira do Retiro

Cachoeira do Cruzeiro 

Trilha para Cachoeira do Cruzeiro

Estradinha rural para bairro Sertão do Cantagalo




Reenergizando

Chocolotus - detalhe: o verde
atrás não é um quadro. É Natureza!



quarta-feira, 3 de maio de 2017

POCKET PARTY - Primos assumiram o comando na Pizzaria do Rafa

Semana passada foi aniversário do caçula da casa. Rafinha fez 7 anos! 
E quem nos conhece sabe o quanto adoramos comemorar os aniversários por aqui. 
Mas esse ano seria diferente. Resolvemos viajar e a grana estava curta para fazer também uma festa bacana para muitas pessoas. 

O "problema" é que conforme os dias passavam e o aniversário estava se aproximando ia dando um nó na garganta de pensar que não teríamos uma festinha para comemorar mais uma aniversário do nosso pequeno... rs


Aí surgiu a ideia de reunir apenas os primos em casa para a data não passar em branco. Ao todo foram 6 crianças. Rafa e o irmão, três primos e a priminha caçula de 2 anos. 

Como Rafa gosta muito de ajudar na cozinha pensamos em fazer uma "pocket party"  bem personalizada para o aniversariante. Assim surgiu a PIZZARIA DO RAFA. 

Providenciamos disquinhos de pizza individuais. A vó preparou um molho de tomate bem gostoso. Logo pela manhã o próprio aniversariante arregaçou as mangas e ajudou a ralar mussarela e calabresa. Cortamos cebola e tomates em rodelas. Lavamos manjericão. Separamos em potinhos orégano, atum, azeitonas e milho. Bisnagas de cheddar e requeijão foram deixadas na mesa. Estava tudo pronto para os nossos mini masterchef´s botarem as mãos na massa. 

Como não podia faltar uma decoraçãozinha básica, o aparador lateral serviu de mesa do bolo para a hora do parabéns. Na mesa de jantar estavam todos os itens para a molecada entrar em ação. A prima mais velha ajudou apenas com o molho (para que ninguém exagerasse e inundasse a pizza com excesso de molho de tomate!). O outros ingredientes eram livres e cada um podia se deliciar para criar suas próprias receitas. 

Ah, esqueci de contar um detalhe. Como eram poucas crianças resolvemos investir em uma lembrancinha bem útil para esse momento. Mandei bordar aventais em tamanhos diferentes para cada um deles e comprei um chapeuzinho de mestre cuca. 

Pronto. Devidamente uniformizados, mãos lavadas era hora de começar a farra. E que farra. Naquele momento vi cinco meninos felizes, dividindo o mesmo espaço organizadamente e preparando a sua própria pizza. Ali a gente podia enxergar também um pouquinho da personalidade de cada um. Uns mais cuidadosos. Outros mais desastrados. Uns mais contidos nas escolhas dos ingredientes. Outros mais gulosos e arrojados nas misturas que faziam nas suas receitas. Uma delícia de experiência! 

E, detalhe. Durante a semana ouvi de algumas pessoas próximas que eu era louca de fazer isso dentro do apartamento; que a sujeira seria enorme e tal. Acreditem, não foi. E o que sujou limpamos tão facilmente, que não deu trabalho algum. 

No final ainda escutei do Rafa que essa foi a melhor festa da vida dele! Aí a gente pensa: As vezes sofremos tanto porque não podemos pagar "aquele" buffet super bacana ou fazer "aquela" mega festa cheia de atrações. Quando para a criança o que vale é a diversão, que muitas vezes é encontrada na simplicidade e nos pequenos momentos. 

A seguir algumas fotos da Pizzaria do Rafa. Fica a dica. A grana está curta? Invista numa "pocket party". E, se pensar na bagunça, coragem! Vale muito a pena! A satisfação do seu pequeno compensará cada minutinho de trabalho que você teve na organização.  















sábado, 29 de abril de 2017

RAFA FAZ 7

Hoje faz 7 anos que descobri que é possível sim amar dois filhos imensamente. E desde então venho aprendendo lições, que nenhuma escola conseguiria me dar. Que um filho definitivamente não é igual ao outro. Que é possível uma única pessoa ser tímida e ao mesmo tempo palhaço ao extremo. Que taurino é realmente um comilão. Que uma criança pode ter o paladar muito mais refinado (e exigente) do que eu. Que precisei esperar 30 anos para aprender com um ser tão pequeno lições de vida, que de certa forma me transformaram imensamente.
Rafa nosso encontro nessa vida não é por acaso. Cada vez mais tenho certeza disso. Obrigada por me escolher. Obrigada por mostrar a vida por uma nova perspectiva. Obrigada por alegrar nossas vidas, por colorir mesmo os dias nublados, por simplificar o que a gente muitas vezes insiste em complicar.
Obrigada por ser você, meu docinho! Te amo!





sábado, 22 de abril de 2017

PÉROLAS DO RAFA - ? Ponto perguntador ?

Bom dia pra você, que está em pleno feriadão estudando com o filho para a prova de português :

Rafa, quais os nomes desses pontos?
E ele responde:
. ponto final
: dois pontos
! ponto de exclamação
? hummm esse é o ponto perguntador! 




domingo, 16 de abril de 2017

PÁSCOA - E o coelho nos visitou mais uma vez...



Talvez esse seja o último ano que recebemos a visita do coelho da Páscoa. E essa possibilidade, mesmo que ainda não seja uma certeza, deu um nó na minha garganta ontem a noite. 

Nas últimas semanas estávamos ainda em dúvida se o Rafa, o caçula da casa, de 6 anos, ainda acreditava na magia do coelho da páscoa. Rafa é tão esperto, vira e mexe solta alguma pérola ou faz algum questionamento que ficamos de queixo caído. Sempre que eu falava algo sobre a "cartinha do coelho" ou algo assim ele mudava de assunto, o que me fez ficar com uma dúvida no ar. Pois bem, a certeza tivemos na última quarta-feira, quando o cabeleireiro perguntou diretamente pra ele, entre uma tesourada e outra, se o coelho iria visitá-lo. A resposta veio bem ao estilo Rafa: "Claro que sim, afinal tem criança na minha casa e casa com criança sempre recebe a visita (e o ovo de chocolate) do coelho", garantiu. Se eu tinha alguma dúvida, naquele momento já não tinha mais. Santo Washington, que mesmo sem querer, desvendou o mistério. rs


Ovos comprados. Ovos escondidos. Sábado de aleluia chegou. Era hora do nosso ritual, que se segue há exatos 10 anos, desde 2007, quando Mat tinha pouco menos de um aninho e fizemos o "ninho" do coelho pela primeira vez. Aqui vale um parênteses. Como em tudo na vida nos aperfeiçoamos na "produção" da fantasia. Até hoje nos divertimos (eu e o maridão) ao lembrar das primeiras patas que fizemos de giz pela casa para parecer as marcas do coelho que supostamente nos visitou durante a noite... Eram tão grandes, que mais pareciam patas de elefante... Com o nosso mocinho crescendo e virando um menino curioso e questionador fomos melhorando a cada ano e hoje somos quase "expert" em 'produção de sonho de Páscoa para crianças pequenas".



 Pois bem. Depois do ninho montado com as palhas, que estavam guardadinhas, Rafa pediu para eu pegar caneta e lousa. Ele queria deixar um recado pro coelho e também deixar o cantinho do coelho mais bonito, segundo ele. Caneta em punho, ele me pediu para ficar ao seu lado. "Me ajuda aqui. Não quero escrever errado pro coelho, mãe". E, assim, ele escreve, espontaneamente e para nossa surpresa: "Obrigado, coelho". Na assinatura, sem perguntar nada, escreve seu nome e o do irmão, que afinal, também ganhará um ovinho do sr. Coelho. 


Se chorei? É... quem me conhece sabe... Os olhos enxeram de lágrimas sim. Tão decidido. Tão mocinho. Tão resolvido no que quer. E ao mesmo tempo tão criança. Tão ingênuo. Tão delicado. 

Matheus acreditou na visita do coelho da páscoa até os 7 anos. Rafa fará 7 anos daqui exatos quinze dias. Não sei como será com ele. Mas lembro-me até hoje que Matheus se emocionou quando soube que o Coelho da Páscoa, assim como o Bom velhinho e a fada do dente eram, na verdade, o Papai e a Mamãe, que estavam por traz. E, para nossa surpresa, ele ficou emocionado ao reconhecer que tinha muito amor envolvido para manter esse encanto. 

Com Rafa ainda não sabemos como será. Ano que vem, talvez ele já não acredite mais e tenha desvendado o mistério. E vou sim sentir falta de ajudá-lo a montar ninho, afofar a palha na caixinha, fazer as patinhas de giz no chão depois que ele adormecer. Vou sentir falta do rostinho dele pela manhã surpreso com os ovos no ninho, mesmo que ele tenha sempre a certeza de que os ovos chegarão no Domingo de Páscoa. Vou sentir falta porque é delicioso conviver com a ingenuidade e a pureza da criança em sua mais pura essência. Mas também fico muito feliz e com o coração repleto de amor por ter vivido nesses últimos 10 anos momentos de puro encanto e magia. 

Páscoa é renascimento. É amor, é compaixão, é carinho, é gratidão. Que saibamos renascer a cada dia, a cada obstáculo, a cada situação difícil. Que a leveza das crianças nos contagie e amoleça sempre nossos corações. Que saibamos valorizar a vida na sua forma mais simples, mais singela. Que tenhamos sempre amor no coração para dar ao próximo. 

Em tempo, Rafa foi o primeiro a acordar, viu o ovo, correu para o meu quarto e disse que o coelho já tinha passado e, que mais uma vez, ele não conseguiu pegar o coelho no flagra. Mais tarde perguntou porque o coelho insiste em vir com as patinhas sujas e deixar marcas pela casa, mas antes mesmo de eu responder ele disse: "É para a gente ter certeza que ele veio, né mãe?". É, Rafa... é sim! 

Feliz Páscoa para todos nós! 














quarta-feira, 29 de março de 2017

PÉROLAS DO RAFA - Bye bye 6 aninhos. Seja bem vindo 7 anos!

Um mês. 
Falta exatamente um mês para o meu caçula completar 7 anos. 
Um mês. 

Ele, se pudesse, adiantaria o relógio. 
E eu? 
Ahhhh eu, se pudesse, deixaria o tempo passar lentamente, bem devagar, para aproveitar cada minutinho dos seus 6 anos. 
Passaria horas olhando seus movimentos, acompanhando seu crescimento, dando risadas das suas risadas. Admiraria cada movimento do seu rosto, escutaria cada palavrinha que saísse da sua boca, responderia todas as suas perguntas. Ok, faço isso normalmente. Mas, se mais tempo tivesse, poderia curtir cada minutinho sem me preocupar que está na hora de ir pra escola, sem ter pressa pra dar o almoço, sem ter que correr contra o relógio que insiste em correr. 

Um mês! 
E o filme começa a voltar na minha cabeça... 
Como assim meu bebê de ontem já vai completar 7 anos? 
Quando aquele bebê chorão de ontem se transformou nesse menino curioso, tagarela e cheio de energia? 
Ah tempo... você podia ser mais bacana e pegar mais leve, né? 
Esta fase está tão gostosa! Deixa a gente curtir mais um pouquinho, vai? 

Tudo bem que o Rafa quer acelerar o relógio... quer ser menino grande, tem pressa de viver, de crescer, de descobrir, de explorar tudo o que surgir no seu caminho. Tem pressa de conhecer, de falar, de ouvir... 

Hoje pela manhã, quando ele se deu conta que falta um mês para seu tão esperado aniversário, ele disse: "Ahhhhh tudo isso? Um mês é muita coisa!". 

Não Rafa... se os últimos 7 anos passaram tão rápido, um mês vai ser na velocidade de um estalar de dedos. 

Rafa você vai me desculpar, mas dessa vez não vou concordar com você, tá? E vou torcer para que os próximos 30 dias passem lentaaaaaaaaamennnnnnnte... e que possamos aproveitar cada segundinho dos nossos dias, porque a única  certeza que temos é que os seus 6 anos não voltarão mais... 

Te amo meu docinho! 
Te amo!