terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

ABAYOMI - Uma boneca cheia de cultura e história

Dia desses eu e os meninos participamos de uma vivência muito bacana entre mães e filhos. Foi um dia todo de interação com algumas atividades propostas. Uma delas, em especial, chamou minha atenção. Uma artesã propôs uma atividade em que deveríamos confeccionar bonecas Abayomi. Mas o que seria tais bonecas? A maioria das pessoas ali presentes não sabiam e o início da oficina foi exatamente uma breve explicação sobre essa arte, tão cheia de história e significado. 

Para entreter seus filhos durante as terríveis viagens a bordo dos tumbeiros - pequenos navios que fazia o transporte de escravos entre África e Brasil - as mães africanas, sem ter praticamente nada, rasgavam retalhos das barras de seus vestidos e a partir deles criavam pequenas bonecas, feitas de tranças ou nós, que serviam como amuleto de proteção e brinquedos também para suas crianças. As bonecas, que se tornaram uma espécie de símbolo da resistência, foram chamadas de Abayomi, um termo que quer dizer "encontro precioso". 

As bonecas não possuem costura alguma e nem demarcação de olho, nariz e boca. O acabamento final pode ser um vestido bem colorido e um turbante bem característico na cultura africana. 

Foi uma atividade de muita entrega e cumplicidade entre mães e filhos. Os meus meninos, por exemplo, tiveram mais dificuldade em fazer os pequenos nós, que demarcam cabeça, mãos e pés, e nessa hora a mãe aqui entrava em ação. Percebi que eles ficaram admirados em perceber que pequenos retalhes de tecido, aos poucos, iam se transformando numa boneca. E fiquei muito feliz em perceber que eles (e todos os outros meninos presentes) não ficaram em nenhum momento resistentes ou constrangidos por fazer bonecas. 

Não preciso nem falar que foi uma experiência incrível, né? Além de aprender a construir uma bonequinha tivemos uma baita aula de história, cultura e reflexão social. Os meninos adoraram e ficaram tocados em imaginar que a realidade das crianças escravizadas era muito, muito diferente da vida que eles levam hoje. 

Um momento muito bacana, que certamente ficará em nossa memória para sempre.  

Olha como ficaram nossas Abayomi´s: 




sábado, 4 de fevereiro de 2017

MUDANÇA DE ESCOLA - Com a palavra, os novos alunos!

Á caminho da escola para fechar a primeira
semana de aula do ano! 

Quinto e último dia de aula da PRIMEIRA SEMANA na NOVA ESCOLA. 

Uma semana que começou cheia de expectativas e insegurança e terminou mais tranquila e feliz. 

O saldo foi muito positivo. 





Sabemos que temos muito pela frente ainda e que ao longo do ano surgirão muitas alegrias e apreensões, afinal nem sempre tudo é como gostaríamos que fosse. 

Mas se a primeira impressão é a que fica estamos no lucro. Essa primeira impressão foi ótima e os meninos estão realmente bem confortáveis à nova rotina. 

Para finalizar essa "mini" série de posts do DIÁRIO DE BORDO dos meninos na nova escola, nada melhor do que ouvir as impressões dos verdadeiros protagonistas dessa história. 

Com a palavra, Mat e Rafa. 

Sucesso meninos! Mais uma vez vocês me surpreenderam com tanta coragem e força de vontade. Como sempre digo, vocês botaram a "vergonha no bolso" e encararam mais um desafio. Parabéns! 




sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

MUDANÇA DE ESCOLA - Quarto dia de aula! Será que fecharemos a semana com chave de ouro?

Quinta-feira, 2 de fevereiro. 
Quarto dia de aula no novo colégio. 
De modo geral estamos indo muito bem até aqui. 

Nota 10 na adaptação familiar: 
Adaptação ao novo horário de almoço - ok 
Adaptação ao novo caminho até a escola - ok

E os meninos? Como andam? Vamos às impressões: 

Os "Smurfs", segundo o Rafa, vão de azul hoje pro colégio! 


Matheus - 5o ano 

Matheus está bem tranquilo e feliz. 
Ontem conheceu o tão esperado professor de educação física e ficou feliz com a primeira impressão. Aqui, vale um adendo: Mat amaaaaa de paixão o professor de educação física do outro colégio e ontem acabou confessando que estava ansioso para saber se o atual seria tão bacana como o "antigo". 
Ontem também foi dia de estrear a disciplina de Ciências e ele achou interessante saber que esse ano vai aprender sobre o corpo humano. 
Embora já soubesse se queixou apenas que esse ano já não terá mais o tão esperado "Dia do Brinquedo", que costuma acontecer todas as sextas-feiras. Nesse colégio, 5o ano já não tem mais esse mimo. Essa confirmação foi tipo um cutucão: "Mat você está crescendo, grandão!" 


Rafael - 6o ano

Rafael saiu falando de um novo amigo... de pouquinho em pouquinho, meu caçula está conhecendo seus novos colegas de sala. 
Disse que ontem foi um dia bem gostoso porque a professora propôs uma atividade fora do ambiente da sala de aula. E ele achou super divertido sentar com os amigos em uma mesa coletiva no pátio para fazer uma lição. Ponto positivo principalmente para a contribuição que teve no entrosamento das crianças.
Ele teve também sua primeira aula de inglês e conheceu a nova professora. Disse que gostou. 
Aos poucos Rafa está se soltando mais e contando algumas peripécias que tem observado entre os novos colegas. Meu baixinho está feliz! 


A semana voou! A turbulência do primeiro dia se foi e o que restou foram dias mais tranquilos e amenos. 
Os meninos estão felizes e satisfeitos com a nova rotina. 
Agora falta pouco pra encerrar essa primeira "semaninha", de muitas que virão ao longo do ano. 
Bora pra escola molecada? 




quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

MUDANÇA DE ESCOLA - E chega o TERCEIRO DIA de aula no novo colégio

Quarta-feira, 01 de fevereiro e é hora de encarar o TERCEIRO DIA de aula no novo colégio. 
Menos ansiosos e mais confiantes, lá se foram meus meninos para mais um dia de adaptação e novidades. 
Hoje conseguimos nos organizar melhor e saímos mais cedo de casa. 
O imprevisto, dessa vez, foi na hora da saída. Uma baita chuva caiu no bairro bem na hora que eu tinha que sair para buscá-los. Atrasei um pouquinho para pegá-los, mas nada que comprometesse o horário de saída da escola. 

Vamos às impressões dos meninos: 

Rafa e Mat entrando no colégio no
TERCEIRO DIA de aula



Matheus - 5o ano 

Matheus, como em todos os dias, saiu animado. Comentou que gostou de ter chegado mais cedo hoje na hora da entrada, porque assim conseguiu conversar mais com os amigos antes de seguir para a sala de aula. 
Comentou também que conheceu a sala do projeto Mente Inovadora e que gostou bastante da ideia de ter uma aula onde vai poder jogar jogos específicos de tabuleiro com os colegas. Mais um ponto positivo. 
Na hora do lanche disse que jogou ping pong com os velhos e novos colegas e que foi bem bacana esse momento de lazer. 
A noite teve sua primeira lição de casa da semana. Agora a o ano letivo começou pra valer. Fez com tranquilidade, mas quando eu aproveitei para olhar o caderno vi uma lição que tinham feito em sala de aula. Nessa hora ele comentou que a professora deu um exercício para relembrar o que tinham aprendido no quarto ano e ele sentiu um pouco de dificuldade. Á principio achava que não tinha aprendido no outro colégio, mas depois lembrou que tinha sim visto esse conteúdo. 
Percebi nessa hora uma certa ansiedade, um medo de errar, de não saber e não acompanhar o ritmo dos outros colegas. 
Conversamos muito, tentei tranquilizá-lo e hoje ele acordou mais tranquilo.  


Rafael - 2o ano

Rafa saiu todo serelepe da escola. Entrou no carro falando que tinha feito mais um amigo, o Miguel e que ele parecia ser bem legal. 
Aos poucos sinto que ele está mais tranquilo. 
Fez até uma piadinha... disse que quando estão com o uniforme azul (nesse colégio há duas opções  de camiseta... branca e azul) parecem os Smurfs! rs
Comentou também que gostou da aula de informática, que lá os alunos utilizam tablet e não computadores e ele achou isso muito legal.
Na hora do lanche disse que também jogou ping pong com outras crianças e que já está conhecendo colegas da outra sala do segundo ano (são dois segundos anos no período da tarde). 

O saldo tem sido positivo. 
Ontem passamos na frente do antigo colégio e eu não resisti. Perguntei se eles estavam sentindo saudades de lá. Os dois disseram que não, que estão felizes com a mudança, embora gostassem muito da antiga escola. Confesso que essa afirmação deixou meu coração bem feliz. 
A noite mostrei ao Matheus uma foto postada em uma rede social da sala que seria a dele no antigo colégio. Ao todo são oito meninos e nenhuma menina. Ele olhou, olhou e no final disse que, embora sinta falta de um amigo que ficou, está gostando da experiência de participar de uma sala maior, com vários meninos e meninas. Essa talvez fosse a minha maior preocupação, afinal ele estava super acostumado com salas pequenas e poderia ser um problema a adaptação à nova realidade. Mas não está... garças à Deus.

Bora encarar o quarto dia de aula, meninos? 

Podem se aprontar que o sinal já vai bater...   



quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

MUDANÇA DE ESCOLA - Como foi o SEGUNDO DIA de aula

Como já era de se esperar o SEGUNDO DIA de aula no novo colégio foi um pouco mais tranquilo para os meninos. Eles estavam mais seguros e, de certa forma, mais familiarizados com o novo ambiente. 

Quem ainda se perdeu um pouco com horários e a nova rotina foi a mãe aqui. Agora, além da entrada ser 15 minutos mais cedo do que antes, esse novo colégio é mais longe de casa. E isso envolve uma outra logística com novos horários para almoçar, se trocar e agilizar todo o processo. No segundo dia me perdi toda e fiquei doidinha pra conseguir fazer tudo a tempo. Mas, no final deu tudo certo. Ufa! 

Outro ponto que "fugiu" do combinado foi a hora da entrada. Como Rafa tinha ficado muito inseguro no primeiro dia, pedi ao Matheus para que esperasse o irmão descer do carro e entrassem juntos no colégio. Tudo estava combinado, mas o que a gente não esperava é que o Mat assim que desceu avistou algum amigo lá dentro e se mandou deixando o irmão pra traz. Rafa, de novo, ficou com cara de "O que estou fazendo aqui!". Mas rapidamente foi salvo pela amiga do outro colégio que coincidentemente estava chegando ao mesmo tempo e foram pra dentro juntinhos. 

Vamos às impressões dos meninos, que é o que mais importa, afinal:  


Segundo dia, aí vamos nós! 


Matheus - 5o ano 

Matheus entrou bem tranquilo e, por incrível que pareça, pelo menos no quesito entrosamento, está muito feliz e confortável. 
Ontem conheceu a professora de inglês e disse ter ficado chocado porque ela fala em inglês o tempo todo durante a aula. "Mãeeeeee ela praticamente não fala nada em português!", contou. 
Comentou que ontem os alunos aproveitaram para fazer as capas das matérias de cada caderno, que foi bem diferente do outro colégio, que já vinha um desenho impresso para eles pintarem apenas. Dessa vez eles tinham que "criar" suas próprias capas com desenhos livres. Ele curtiu a ideia de poder usar sua criatividade e de imaginar que cada aluno teria uma capa de matéria diferente do outro. 
Quando questionei se o segundo dia tinha sido melhor que o primeiro, ele disse que não. E a justificativa foi a mais sem vergonha possível. "Ah, mãe no primeiro dia não teve lição, hoje já começou pra valer!". Ahhhh Matheus e você está indo na escola pra que, afinal? rs 


Rafael - 2o ano 

Rafa entrou apreensivo, mas saiu super descontraído. O sorrisão estampado no rosto já revelava o que ele acabou confessando uns minutos depois: "Mãeeeee hoje finalmente eu fiz um novo quase amigo!". Rafa estava desesperado pra fazer um "novo quase amigo" e, mesmo tendo tido contado com um garotinho no primeiro dia, sentiu só no segundo que está nascendo realmente uma "amizadezinha" por ai... rs 

"Ele tomou lanche comigo e com o Dudu de novo. E, como ele não estava encontrando o canudo do suco dele eu dei a ideia dele pedir um na cantina. Ele é muito tímido, mãe, mas eu o encorajei e ele ficou todo feliz por ter conseguido. Ajudei ele, né mãe?". Adivinha se a mãe ficou emocionada???

Rafa também já começou a fazer algumas lições, mas disse que ainda está bem de leve, que as lições de casa começarão só na próxima semana, fato que ele adorou, diga-se de passagem. 

Aos poucos a vidinha deles e a minha vai entrando nos trilhos. 

Bora encarar o terceiro dia, que o relógio não para de correr... 

Até amanhã! 





terça-feira, 31 de janeiro de 2017

MUDANÇA DE ESCOLA - O terrível PRIMEIRO DIA DE AULA

Segunda-feira, 30 de janeiro de 2017
Primeiro dia de aula em uma nova escola! 

A ansiedade começou na noite anterior (se fosse a mãe, quando criança, começaria um mês antes! Grau máximo de ansiedade, mas os filhos são mais "normais"). Matheus chegou a comentar que estava ansioso antes de dormir. Acordou falando que sonhou que tinha perdido a primeira aula, chegara atrasado bem no primeiro dia de aula. Ainda bem que foi só um sonho... Rafa, por sua vez, pediu papel e caneta logo cedo para escrever o alfabeto em letra cursiva. O moleque estava tão agitado que dizia ter esquecido quase todas as letras. Ação do nervosismo e ansiedade tomando conta do meu caçula. Mas passado esse turbilhão de agitação e ansiedade era hora de encarar o tão esperado PRIMEIRO DIA DE AULA. 

As novidades começaram já no caminho. Um amigo do Matheus, que já estuda nesse colégio desde o ano passado pediu para nos acompanhar no carro no primeiro dia. Ele queria "apresentar" aos meninos os "esquemas" da nova escola. Isso facilitou muito a vida dos meninos, pelo menos no quesito "Cai de paraquedas e não sei pra onde ir". Rafa colou nos dois porque não é bobo nem nada. 

A primeira grande diferença já começa na entrada. A escola conta com um serviço de drive, ou seja, a gente entra com o carro no colégio, as crianças desembarcam e o carro segue. Nada de beijinhos demorados e bate papo de mães na porta da escola. E, assim, eles seguiram e meu coração ficou apertadinho e louco de curiosidade para saber quais seriam suas primeiras impressões. 

Hora da saída, o mesmo esquema com o carro. Mas agora era chegada a hora de saber, afinal, como foi o tão esperado primeiro dia e quais as impressões que os meninos tiveram do novo colégio. Vamos lá: 


Gabriel, Matheus e Rafael rumo ao primeiro
 dia de aula na nova escola

Matheus - 5o ano 

Matheus, que era o mais apegado ao colégio antigo, afinal foi também quem ficou mais tempo por lá (7 anos seguidos) saiu sorridente da nova escola. Vale destacar que ele não estava sozinho nessa nova empreitada. Junto dele outros três amigos mudaram de escola juntos. Fora o Gabriel, que já tinha ido no ano anterior. Portanto, cinco crianças da sala já se conhecem de outros carnavais. Ponto positivo para a adaptação à nova rotina. 

A grande mudança logo de cara é o número de alunos. A sala maior que Matheus já frequentou teve 15 crianças. No ano passado, passou pela experiência de estudar na menor sala de sua vida: eram apenas 6 alunos! Praticamente aula particular! Esse ano encarou uma sala com 27 crianças! Isso mesmo! Bem vindo à vida escolar! Ficou impressionado com o tamanho da sala, com o número de fileiras de carteiras (são cinco). Curtiu a ideia de conviver com uma galera maior. Ponto positivo. 

Saiu empolgado dizendo que já fez alguns novos amigos. E quando me viu admirada com o fato, respondeu sem pestanejar "Mãe, todos jogam Clash Royale (um jogo de celular que eles amam!), por isso fica fácil puxar assunto". Ufa, finalmente esses jogos tiveram uma utilidade! 

A noite, meu celular foi adicionado a um grupo de whats app (Matheus ainda não tem celular, mas usa o da mãe para fazer contato com os amigos). Quando olho, era um grupo de Meninos e Meninas da nova sala. É... acho que ele está se enturmando mesmo à nova escola. Maravilha! 


Rafael - 2o ano 

Rafael está ingressando oficialmente no Ensino Fundamental. Meu pequeno que, em geral é mais tagarela e comunicativo em casa, é também mais tímido em novos ambientes e com pessoas que não conhece. Entre os dois, acho que foi ele quem mais sentiu frio na barriga nesse primeiro dia. A carinha dele a hora que desceu do carro mostrou isso. Olhinhos arregalados, semblante sério e todo compenetrado. Foi ele quem me deixou com o coração apertadinho quando segui meu caminho enquanto eles entraram na escola. 

Rafa também está mudando de colégio com duas crianças conhecidas, um menino e uma menina, que já estudavam em sua sala no colégio antigo. O que facilitou muito a sua vida, convenhamos. 

Na saída, enquanto o irmão estava falante contando detalhes do seu dia, falando dos novos amigos, da movimentação da sala e tal, Rafa estava mais calado. Depois contou que gostou da nova escola, mas que ainda não estava acostumado. Óbvio, tinha passado só o primeiro dia, afinal, né Rafa? 

Disse que não fez muitos amigos ainda (quanta pressa, Rafa!), mas que um garotinho bonzinho tomou lanche com ele e o Dudu, seu amigão que mudou de escola junto com ele. 

Comentou que achou a hora do lanche bem lotada, diferente da outra escola que tinha menos alunos e isso demonstrou uma certa sensação de vergonha diante de tantas crianças novas em sua vida. 

No final o saldo foi positivo. Os dois disseram ter gostado da nova escola, ainda estão reconhecendo os ambientes e aos poucos se familiarizando com a nova rotina. 

Que venha o segundo dia... Boa sorte meninos! 




segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

MUDANÇA DE ESCOLA - Quando a mudança é inevitável!

Quando Matheus foi pra escola pela primeira tinha apenas 2 anos de idade. Na época, as principais aflições era imaginar como nosso então bebê ficaria por algumas horas longe de nós. Como ele se relacionaria com outras crianças diariamente? Será que sentiria nossa falta? Será que seria prazeroso ou um sofrimento pro nosso baixinho? 

Os anos passaram, Matheus fez muitos amigos ao longo de sua vidinha escolar. A escola, que na época foi escolhida pensando apenas naquele período de educação infantil, nos cativou tanto, que ele permaneceu nos primeiros anos do ensino fundamental. Uns anos depois, chegou a vez do Rafa, nosso caçula, também ir para a escola. E, assim, nos últimos sete anos percorremos esse trajeto casa-escola-trabalho diariamente. 

Lá, nesse colégio, eles vivenciaram de tudo. Foram super-heróis nos carnavais. Desbravadores da natureza no pequeno jardim que circulavam diariamente. Conheceram e conviveram com vários professores e profissionais, que ganharam seus respeito e admiração. Conheciam cada cantinho do colégio, que literalmente se transformou em suas segundas casas. 

Foi exatamente ali dentro daqueles muros, que Matheus levou um baita susto quando bateu a nuca durante uma partida de futebol e precisou ser socorrido imediatamente. Foi ali também que ele gostou da primeira menina da sua vida. Ali ele ganhou amigos, que certamente levará por toda a sua vida. Foi naquele espaço que ele aprendeu, desde cedo, que é inevitável aprender a lidar com a saudade. Viu ao longo desses anos grandes amigos partirem para outras escolas. E sofreu... E sentiu saudade... E chorou. Mas foi também com essas experiências, que ele aprendeu que é possível matar essa saudade e tentar superar essa distância do dia a dia nos encontros e festinhas esporádicas por ai. E com isso, Matheus amadureceu e cresceu. 

Matheus sempre foi muito feliz na antiga escola. Costumávamos brincar que ele era apegado até aos tijolinhos da parede. A ideia de mudar de escola não foi aceita logo de imediato. Mas, mesmo sem a gente querer, a vida fez o seu trabalho e nos mostrou que esse seria o seu destino. 

Enfim, 2017 chegou e agora é a hora do novo. Hoje, foi o primeiro dia de aula no novo colégio. Ontem a noite, ele me chamou de lado e disse "Mãe, acho que agora bateu uma ansiedade!". Conversamos e, naquele instante, percebi o quanto meu menino cresceu. E hoje ele e o irmão foram enfrentar o novo. Era um misto de ansiedade, medo, curiosidade. Alegria e apreensão. 

Essa semana vamos fazer uma espécie de DIÁRIO das impressões deles com o novo colégio. Os pontos de vistas de cada um, os comentários, as curiosidades. E também as aflições e expectativas de cada um.

O meu maior desejo é de que no final o saldo seja positivo e de muito aprendizado para a vida dos meus meninos! 

A seguir cenas dos próximos capítulos... por que agora, bora pra escola que o sinal já vai bater!