segunda-feira, 4 de setembro de 2017

PÉROLAS DO RAFA - Diário de um Banana está de volta aqui em casa!

Rafa hoje, com 7 anos, lendo pela
 primeira vez Diário de um Banana
Acabo de me dar conta que há exatamente 2 anos e 6 meses (no dia 4 de março de 2015), Rafa, então com 4 anos, ainda não totalmente alfabetizado, fez uma promessa: "Um dia vou ler todos esses livros, mãe!". 

Ele se referia aos livros da coleção Diário de um Banana, que o irmão, na época colecionava e era apaixonado.

O tempo passou, Rafa não foi um grande leitor nos últimos anos, mas agora, já alfabetizado, decidiu que queria começar a ler os livros do irmão. E hoje, foi o primeiro dia. Começou a ler o número um da coleção que tem 11 livros até o momento.  E deu muita risada. E compartilhou falas engraçadas. E me fez voltar no tempo em que era o Matheus que se deliciava com os livros dessa série. 

Rafa cresceu. Rafa cresce a cada dia e nos mostra que a pressa realmente não é o melhor caminho. Cada criança tem seu tempo e respeitá-lo é muito importante. Ta aí mais uma lição que você nos ensina, baixinho!

Chegou sua vez, Rafa. Bem vindo ao mundo mágico dos livros. Orgulhosa de ti, meu caçulinha! 


Rafa hoje - com 7 anos

Rafa em 2015, com 4 anos, sonhando
com o dia que conseguiria ler os
livros do irmão! 

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

PÉROLAS DO RAFA - Ah videogame!

Aí você abre o caderno de trabalho e encontra esse bilhete do seu caçula. É muita criatividade para convencer a mãe a deixá-lo jogar videogame. 




terça-feira, 29 de agosto de 2017

PEROLA DO RAFA - O que dia em que Rafa perdeu as batatas!

Rafa é daquelas crianças, que certamente quando crescer terá muitas histórias para contar aos seus filhos e netos. 

A gente tenta não reforçar isso pra ele, mas tudo ou quase tudo em casa acontece com o Rafa.

Rafa é desastrado, atrapalhado em algumas situações, engraçado até o último final de cabelo.

Hoje cedo mais uma Pérola do Rafa surgiu no nosso caminho... 

Terça-feira é dia de feira pertinho de casa. Fazia tempo que não íamos. Hoje fomos. Nós três - eu, Rafa e Matheus. 

Tagarela ao extremo, Rafinha foi puxando a conversa durante quase todo o trajeto. Rimos, trocamos ideias, nos divertimos no caminho. 

Na volta, cada um com sua sacola em punho, viemos pra casa. 

Rafa trazia uma sacolinha cheia de batatas. Super ajudante e participativo, meu caçula nunca reclama por trazer ou ajudar a carregar as compras. 

Tudo estava tranquilo e dentro da normalidade. Até que, faltando poucos metros para chegarmos no portão do condomínio, Rafa, que estava logo atrás de mim, deu um grito: 

"Mãeeeeeeee perdi as batatas!"

Como assim, "perdi" as batatas? 

Quando olhei pra traz, vi Rafa com carinha de apavorado e uma sacola vazia nas mãos... 
As batatas? Estavam rolando ladeira abaixo. 

Na hora deu um misto de desespero e vontade de rir. 

Optei por rir e corremos pra "salvar" as batatas, que conseguimos! 


sexta-feira, 18 de agosto de 2017

PÉROLAS DO RAFA - Mãe, você está ficando velha!

Eu e Rafa conversando hoje cedo... 

"Mãe, a mãe do Miguel, meu amigo da escola, é muito nova, né? Ela é tipo uma adolescente. Muito nova mesmo"

Sim, Rafa, é sim. Não é uma adolescente, mas é bem jovem. 

"Mãe ela é muuuuuuuito mais nova que você. Deve ter tipo uns 15 anos no máximo!"

E eu Rafa? Quantos anos parece que eu tenho? 

"A mãe você tá ficando velha... tem cara de ter uns 23 anos! 

kkkkkk Amei estar velha assim, Rafa. 

No ano em que eu completo 40, ouvir que pareço ter 23 tá óteeeeemo! rs 

Rafa - 7 anos de pura travessura! 

sábado, 12 de agosto de 2017

ELEPHANT PARADE - Arte ao ar livre por uma boa causa em SP

Uma voltinha pela Avenida Paulista e muitos elefantes coloridos alegraram o nosso caminho. 

Mas afinal, você sabe porque uma verdadeira manada de elefantes coloridos invadiu a cidade de São Paulo? 

A exposição ao ar livre, com 85 esculturas coloridas de elefantes espalhados por vários pontos da cidade, faz parte da mostra Elephant Parade, que tenta chamar a atenção da população para a preservação dos animais. 


A exposição faz parte do projeto liderado pelo artista holandês Mike Spits, que teve a ideia durante uma visita à Tailândia. Na ocasião, ele conheceu Mosha, um bebê elefante que aos seis meses perdeu uma das patas ao pisar em uma mina terrestre. Spits decidiu então fazer a exposição para arrecadar fundos para comprar fundos para o filhote e o projeto se expandiu para outros paises. 


A Av. Paulista concentra o maior número de obras. Criadas por vários artistas, as obras têm desenhos criativos e no tamanho real de bebês elefantes. 


Em outubro, as obras serão leiloadas e o dinheiro arrecadado será revertido a programas de preservação de elefantes apoiados pelo grupo em oito países. 


Desde 2007, a mostra já passou por Reino Unido, Itália, Holanda, Bélgica, Alemanha, França, Dinamarca, Japão, Estados Unidos, China e Cingapura. 

E, você? Já encontrou um elefante lindo desses pelo caminho? 

Mais informações e os endereços de onde encontrar todas os elefantes basta clicar nesse link AQUI








domingo, 14 de maio de 2017

DIA DAS MÃES - O que Clash Royale, youtube e persistência tem a ver

Hoje é Dia das Mães. E o que mais li, ouvi e escutei nos últimos dias foram mensagens fofas, lindas e emocionantes, muitas delas que me fizeram chorar de verdade de emoção. Ser mãe e realmente divino. Mas se um filho não existe sem uma mãe, a recíproca também é verdadeira. E, hoje, no "meu" dia,  deu vontade de escrever sobre eles, a razão de tudo, e os responsáveis pelo meu título de mãe: meus filhos.

Matheus é muito curioso e ligado em tecnologia. No ano passado encasquetou que queria ser youtuber. E, eu, sou avessa à tecnologia, para desespero do moleque, que me atormentava pedindo ajuda para fazer, gravar, editar e postar vídeos dele. A insistência dele me fez mergulhar num universo que até então era completamente desconhecido para mim. Procura daqui, pesquisa dali, e me vi produzindo, gravando e editando pequenos vídeos caseiros dos meus meninos. Tudo muito longeeeeeeeeeeeeee de ser profissional, mas para a finalidade que é, foi satisfatório tanto para mim, quanto para eles. 

Mas ele sempre queria mais. Matheus queria muito aprender a gravar vídeos como os youtubers famosos da geração dele gravam. Onde aparece apenas a voz do garoto e a tela do jogo que estão jogando. O jogador vira uma espécie de narrador onde comenta cada passo, casa jogada, cada caminho a ser desbravado durante a partida. Eu não sabia. Não fazia a menor ideia como isso era feito. E estava atribulada com tantos trabalhos. Joguei a toalha e disse que não conseguiria ajudá-lo dessa vez. Que agora, nesse momento não conseguiria pesquisar sobre isso. Ele compreendeu, mas estava com a ideia fixa na cabeça. E, como sempre escutou aqui em casa, não desistiu de seu sonho. 

Na semana passada, enquanto ajudava o irmão num jogo, viu um anúncio de um aplicativo na internet. Mais do que depressa, deu um estalo. Era o que ele tanto queria. Descobriu um aplicativo que tinha essa tal função, que ele procurava há meses. Instalou no seu tablet. Sozinho descobriu como funcionava e testou o primeiro vídeo. Deu certo. Alguns minutos depois, com os olhos cheios de lágrimas (sim, ele é canceriano, chora fácil na alegria e na tristeza rs), veio correndo me mostrar. "Mãeeeeeeee consegui! Você não vai acreditar! Consegui gravar meu jogo sozinho!!!!". E compartilhou comigo aquela conquista tão importante para ele. Ele escolheu dividir comigo esse momento de conquista, descoberta e satisfação. 

Orgulhosa, disse a ele que estava muito feliz pela persistência dele em fazer o que tanto queria. E a resposta foi encantadora: "Mãe você fala o tempo todo para gente não desistir e sempre disse que eu conseguiria. Eu acreditei e deu certo!". 

É isso. Acredito na capacidade do ser humano. Acredito que o encorajamento, uma palavra de apoio, o incentivo são fundamentais para nos fazer acreditar em nós mesmos. Mat e Rafa são estimulados sim o tempo todo. E quando vejo situações como essas sinto que estamos no caminho certo. O mérito, claro, foi todo dele. Ele acreditou no seu potencial, não teve preguiça de buscar o que queria e, no tempo certo, realizou seu sonho... que pode até não ser especial para os outros, mas para ele, nesse momento, foi uma vitória. 

São esses "presentes", que ganho no dia a dia, que são os mais valiosos da vida. A maternidade é transformadora. É libertadora. É espelho, é reflexo, é luta diária, mas é também vitória, conquista, alegria sem fim. 

Mat saber que você está se tornando esse menino curioso, sonhador e focado nos seus objetivos é realmente encantador. 

Rafa está no mesmo caminho... E tem o espelho do irmão para seguir sua trajetória sempre muito empolgado e com vontade de explorar novos horizontes. 

E, como não poderia ser diferente, vou deixar aqui o link Clash Royale - Mat Craft do tal vídeo feito pelo Mat, que certamente tem um significado muito maior do que ele imagina... Por traz desse simples joguinho de lutas e batalhas tem um menino forte, curioso e focado, que está "lutando" para conseguir o que tanto deseja. Continue assim, meninão! 

Vocês dois são os meus verdadeiros presentes nesse Dia das Mães e em todos os outros dias do ano! 

Feliz Dia das Mães para todas nós! 



terça-feira, 9 de maio de 2017

VIAGEM EM FAMÍLIA - Gonçalves-MG é lugar de criança sim!

Segui meu coração e, na contramão do que algumas pessoas diziam, levei minha família para Gonçalves, sul de Minas Gerais. O resultado foi quatro dias de pura contemplação, muita paz interior e uma alegria sem fim. 

No início do ano, durante uma conversa em família, chegamos à conclusão que não faríamos festa grande de aniversário esse ano. E, que dessa forma, conseguiríamos reservar uma graninha e "fugir" de São Paulo por alguns dias. Poucos dias, mas o necessário para desligarmos da agitação e correria diária. 

Como o "motivo" principal era o aniversário do Rafa, no final de abril, perguntei a ele onde ele tinha vontade de ir. A resposta foi imediata e categórica: "Quero ir para um lugar com muito mato! Quero mexer na terra. Quero verde!". Uau. Tão novinho (6 anos) e tão certo do que queria. Missão dada, missão aceita. E, diga-se de passagem, aceita com o maior orgulho! Afinal, também adoooooro tudo isso. 

Muitas hortênsias pelo caminho
Pensando no seu pedido resgatei um antigo sonho meu de conhecer Gonçalves, cidadezinha com pouco mais de 4 mil habitantes, localizada na Serra da Mantiqueira, sul de Minas Gerais. Mas tudo o que sempre escutei de amigos e também li na internet associava Gonçalves a um lugar perfeito para receber casais e não famílias com crianças. De janeiro até o início de março li muito sobre a cidade e cada vez mais encontrava referências confirmando essa teoria. Mesmo assim, algo lá no fundo me dizia "Vai pra lá, vocês vão curtir!". Um belo dia, estava eu no quarto pesquisando pousadas e hotéis na cidade, quando Rafa entrou repentinamente no quarto e olhando para a tela do notebook, gritou: "Uauuuuuu, quero ir nesse lugar um dia! Que lugar lindo, mãe!". Pronto. Nosso destino estava definido alí. Era lá que ficaríamos. O tal site era o da Pousada O Montanhês , um lugar realmente maravilhoso, localizada a 1750 metros de altitude, no topo de uma montanha. 

Reserva feita, destino confirmado, agora restava apenas aguardar. Na última semana bateu uma insegurança novamente. Será que tinha escolhido o lugar certo? E se lá realmente não fosse o melhor destino para ir com crianças? E agora? No meio de tantas dúvidas, ouvi de uma amiga muito querida, que conhece muito bem Gonçalves: "Esqueça tudo o que ouviu. Natureza e criança tem tudo a ver. Não tem como eles não gostarem". E, lá fomos nós, quinta-feira da semana passada, pegar estrada rumo ao sul de Minas. 

A cidadezinha realmente encanta logo de cara. Pacata, organizada, limpa e muito charmosa, Gonçalves é uma típica cidadezinha de montanha. O centrinho da cidade é uma graça e é lá onde está a maior parte do comércio e restaurantes locais. A pousada que ficamos é mais afastada: há 9 km do centro, no topo de uma montanha, com acesso fácil por uma estradinha sinuosa, mas em boas condições. 

Mat e Rafa na Cachoeira do Retiro
Mas, afinal, o que fazer com criança em Gonçalves? Descobrimos logo de cara: viver! Nos entregamos ao encanto da cidade e vivemos 4 dias maravilhosos. Para começar o verde das árvores e montanhas predomina. Visual mais lindo, não há. É daqueles lugares que faz bem para o corpo e para a alma. Mas não para por ai... Há 6 lindas cachoeiras abertas ao público. Há outras, mas parece que em propriedades particulares. Fomos em três em um mesmo dia. De carro você chega bem perto da Cachoeira Sete Quedas. Enorme, imponente, lindíssima. Uma caminhadinha de 100 metros apenas, por trilha de fácil acesso, chegamos na Cachoeira do Retiro. Pequena, charmosa, gelaaaaaada! Ali ficamos um bom tempo. Tiramos nossos tênis. Molhamos os pés na água. Os meninos brincaram com pinhões que caiam das inúmeras Araucárias, que tomam conta de toda a região. Momento de total contemplação. E os meninos? Amando tudo isso. Zero tédio para quem pensou que isso não é passeio de criança. Eles estavam amando e nos enchendo de perguntas sobre tudo o que viam e descobriam por ali. O próximo destino era a Cachoeira do Cruzeiro. Uma caminhada mais longa, de cerca de 1Km por trilha na mata. Pensei que o Rafa não fosse topar, mas ele foi o primeiro a pedir para seguirmos adiante. E que bom que seguimos. Na minha opinião é a mais linda das três. E a trilha até lá uma diversão à parte. Subidas, descidas, trechos de mata mais fechada, outros mais abertos onde tínhamos uma vista belíssima. Até vacas e bois encontramos num trecho em que a trilha passa por dentro de um pasto. Isso mesmo. Pedimos licença às vacas e seguimos nosso caminho. Um passeio encantador, que ficará para sempre em nossas memórias. 

Vista do quarto
Pousada Montanhês
A pousada que ficamos tem uma área verde muito ampla. Ali os meninos eram "bichos soltos". Correram, brincaram com galhos, "investigaram" formigueiros secos, chutaram bola, descobriram uma variedade tão grande de plantas, folhas e flores que nunca tinham visto. Foram felizes. E, de novo, em nenhum momento demonstraram tédio por "não ter o que fazer". Muito pelo contrário, eles sequer lembravam de tablet e joguinhos eletrônicos durante o dia. 

A gastronomia também é uma atração a parte. Comida gostosa, mineira, bem temperada, cheia de encanto agradou muito nossos paladares depois de cada passeio que gastava tanta energia entre subidas e descidas de picos, trilhas e morros. 

Há também em Gonçalves passeios de aventuras, organizados por empresas próprias e especializadas. Não fizemos, mas é uma dica bacana para quem estiver pela cidade. 

Na hora da escolha do hotel também priorizei um que tivesse piscina aquecida para ser uma saída em caso de chuva. E foi o que aconteceu. Na sexta-feira como estava mais chuvoso e friozinho, voltamos mais cedo para o hotel e ali eles puderam brincar e se aquecer na água quentinha. 

Meus meninos se adaptaram muito fácil ao local. Até na pequena quadra do Centro Comunitário Rural eles jogaram bola... rs No final, eu, que estava com tanto receio de ter feito a escolha errada, escutei do Rafa: "Mãe, porque a gente não pode morar aqui?". Quem sabe um dia, Rafa... quem sabe um dia. O que sabemos é que um dia voltaremos para lá. Gonçalves conquistou nossos corações. E, hoje, dois dias depois que saímos de lá, já bateu uma saudadezinha que só sentimos de lugares muito especiais... Valeu, Gonçalves! 


Família reunida na Cachoeira do Retiro

Cachoeira do Cruzeiro 

Trilha para Cachoeira do Cruzeiro

Estradinha rural para bairro Sertão do Cantagalo




Reenergizando

Chocolotus - detalhe: o verde
atrás não é um quadro. É Natureza!