quinta-feira, 21 de julho de 2016

MAT FAZ 10 - 10 anos com meu amorzinho!

E chegou o tão esperado dia. 
Dia dele completar todos os dedos das mãos. 
Há 10 anos nascia uma mãe! 
Há 10 anos nascia um menino lindo que chegava para transformar minha vida. 
Parabéns para você meu amor! 
Que a alegria seja constante em sua vida. 
Que esse sorriso largo e tão espontâneo te acompanhe pra sempre. 
Que você não perca esse jeito carinhoso e apaixonante de encarar a vida. 
Que continue a me ensinar tanto e que possamos compartilhar muitos aprendizados juntos. 
E que continue me encorajando nas horas que penso em recuar, inclusive nos brinquedos radicais dos parques por aí...rs. 
Te amo infinitamente e eternamente. Meu presente de Deus! 
Aproveite seu dia do jeito que você sabe muito bem: sendo feliz! 
Obrigada Deus por me dar esse amigão bem no Dia do Amigo!

*PS: A vida anda tão corrida que o post de ontem está sendo postado hoje... com um dia de atraso! 


quarta-feira, 22 de junho de 2016

FÉRIAS JULHO 2016 - Patinação no gelo grátis

Há uma semana das FÉRIAS escolares de JULHO, olha só que programa bacana para levar a molecada aqui em Sampa. 

De 8 a 17 de julho, das 11h às 19h, pela primeira vez o anfiteatro do Parque Villa-Lobos se transformará numa pista de patinação no gelo GRATUITA e ecológica, porque usará água de reúso. Adultos e crianças a partir de 5 anos de idade, que estiverem na capital paulista durante as férias poderão participar .Os menores poderão se divertir, mas em trenós do Férias no Gelo. 

A pista mede cerca de 400 m2 e cada pessoa poderá permanecer no local entre 15 e 30 minutos, dependendo da lotação e fila de espera. Casa participante receberá o equipamento de segurança necessário: luva, joelheira, cotoveleira, capacete e patins, além de kit de higiene. 

Mais informações no link abaixo do Catraca Livre: clique aqui

DICA QUENTE... OPS... DICA CONGELANTE!!!! 


segunda-feira, 13 de junho de 2016

PÉROLAS DO RAFA - Descobrindo a Cora Coralina



Vejo uma imagem da Cora Coralina num cartaz no colégio das crianças e falo pro Rafa "Olha essa é a Cora Coralina!". 

Ele rapidamente me corrige: "Não mãe, o nome verdadeiro dela era Anna. Mas todo mundo conhecia ela por Cora Coralina. Ela foi uma escritora muito importante e nasceu lá em Goiás...". 

Chocada com tanta informação emendei: "Tenho uma amiga querida, que mora lá em Goiás Velho, onde a Cora Coralina nasceu". 

E ele... "Nossa! Que sorte a dela! Morar onde morou uma escritora tão tão tão especial..."


Cataploft!

quinta-feira, 2 de junho de 2016

MATH E SUA PRIMEIRA DÉCADA - Como ele está grandão!

E quando a mão do filho já está praticamente do tamanho da mão da mãe? 
Como ele cresceu... Math rumo à sua primeira década... #matfaz10 




sábado, 7 de maio de 2016

FOTOGRAFIAS - Onde estão os velhos álbuns?

Eu sabia que um dia isso poderia acontecer. Talvez por isso a dor (e a raiva!) seja tão grande agora. 

Sou de uma família que adora fotografia. Meu pai, no final dos anos 70 e início dos 80 já cuidava com o maior zelo da sua maquina fotográfica caseirinha. Botava um rolo de filme de 36 poses e ia dando seus clics com cautela. O filme duraaaaaava. E todas as fotos eram muito bem pensadas, afinal não tinha como apagar ou excluir aquela imagem que não gostou. O resultado só veria depois de revelado o filme. A hora de abrir o envelope, lá mesmo no laboratório fotográfico, era emoção pura. E botar as fotos no álbum era trabalho de gente grande. Lembro como se fosse hoje dele escolhendo as fotos que mais gostou, abrindo o plástico do álbum e ajeitando as fotografias cuidadosamente. Aquilo era um tesouro. A história dos filhos e da família estava ali eternizada. 
O álbum feito pelo meu pai

A era digital chegou, os rolos de filme desapareceram e a facilidade tomou conta da situação. Ficou muito mais acessível tirar fotos. Não gostou, apaga na hora. Clicou e já olha se ficou boa. Faz pose daqui, pose dali. Uma foto? Nunca.Várias fotos. Que maravilha! No primeiro ano de vida meus filhos já tinham mais fotos do que eu tive na minha infância inteira. 

Evolução linda. Perfeita. Maravilhosa. Não fosse por uma questão: onde armazenar tanta fotografia? Aqui em casa tudo ficava no computador. Quando Matheus era pequeno (hoje ele tem 9 anos) eu ainda conseguia ter o hábito de imprimir algumas fotos. Ele tem dois ou três álbuns completos. Ufa! Eu pensava. Se eu perder os arquivos, tenho elas em papel aqui guardadinhas. Rafa, que nasceu uns anos depois, (está com 6 anos agora), tem bem menos fotos impressas. O hábito foi sumindo, deixado de lado, muitas e muitas fotos se acumularam e parar para escolher quais imprimir se tornou um trabalho para depois. 

O problema é que o depois foi passando e nunca chegou. A noite eu vejo. No final de semana consigo. Nas férias com certeza terei tempo para isso. Os anos passaram e o tal tempo não apareceu. 

Nesse meio tempo eu escutava várias histórias de amigos e conhecidos dizendo que o computador deu pau, que o HD externo queimou, que o pen drive sumiu, que o PC foi roubado e com eles sempre a lamentação de que as fotos (aquelas que contam a história da família) sumiram num passe de mágica. E todas as vezes que eu escutava essas histórias sentia um frio na barriga e dizia pra mim mesma "Eu preciso organizar minhas fotos". Mas, o tempo passava e tudo continuava na mesma. 

Aqui em casa temos dois HD´s externos. Mas como uma perfeita sagitariana imperfeita nunca consegui sequer fazer duas cópias iguais nos dois. Em alguns estão umas fotos. No outro, outras. Conclusão: se um deles queimar eu vou perder fotos de qualquer jeito. Mas também nunca consegui excluir as fotos do notebook. Ufa, pensava, estou segura de certo modo. 

Só pensei. Semana passada, dias antes do Rafa fazer aniversário o computador travou. Morreu. Não ligava de jeito nenhum. Levamos para assistência técnica. E, embora seja meu instrumento de trabalho, o que mais me preocupava era justamente a pasta Imagens... ah, as fotos, elas não saiam da minha cabeça. 


Álbuns

Uma semana depois. Depois de longos dias de angustia e tentativas não teve jeito. Do outro lado da linha a voz da atendente da assistência técnica veio como uma flecha no peito: Dona Adriana não teve jeito, tivemos que trocar o HD e não conseguimos recuperar as fotografias. Que droga, pensei. Mas ainda tinha um fio de esperança, afinal eu tenho dois HD´s externos. Nem tudo estava perdido. Ufa! Sim, nem tudo, não fosse o fato de eu ser sagitariana e não conseguir por motivos mais fortes do que eu ser uma pessoa organizada. Recuperei muita foto. Pelo menos os meninos saberão como eles eram quando bebês! Mas, perdi muita foto bacana do último ano. Da nossa última viagem de férias para Santa Catarina, da festa de aniversário do Rafa de 5 anos, das festinhas em família, das apresentações na escola. Enfim, 2015 foi praticamente apagado de nossa memória fotográfica. Salvo algumas poucas exceções que foram salvas no Instagram, Facebook e whats app dos amigos. 

Aí, nesse momento, repito exatamente a frase de abertura desse texto. Eu sabia que um dia isso poderia acontecer. Talvez por isso a dor (e a raiva!) seja tão grande agora. 

Como medida imediata (e de desespero e, de certa forma, de punição) já comprei dois desses álbuns que a gente monta online. E estou parecendo detetive à caça de fotos por ai. E tentando digerir tudo isso. Porque sei que o mundo não acabou, ninguém morreu e tem coisa muito mais importante para se preocupar na vida. Mas mesmo assim, o que passou passou... 

Portanto se você chegou até aqui faça backups das suas fotografias, monte álbuns de fotografia, salve as fotos em álbuns virtuais, drop box, google, blog ou seja lá o que for. Mas não confie em um lugar só. A menos que você não faça questão de guardar suas lembranças. 

Ah, outra conclusão: Preciso agendar uma nova viagem para Santa Catarina, voltar ao Beto Carreiro e Balneário Camburiu. Os registros da viagem do ano passado ficarão na memória. Mas já que foi tão bom não custa usar desse pretexto para repetir a dose, não? Afinal bom humor é tudo nessa hora! 



segunda-feira, 2 de maio de 2016

Carta de uma mãe para um filho que acaba de completar 6 anos - RAFAEL

Carta de uma mãe para o filho que acaba de completar 6 anos! 



Seis anos! 
Parece que foi ontem que sonhei com você. Que te desejei com todas as minhas forças e pedi à Deus que trouxesse você para mim. 
Parece que foi ontem que sabia que você viria. Que tinha certeza que faltava você para nossa família ser completa. Que sonhávamos com um irmão pro Matheus. E Deus, na sua infinita bondade, enviou o melhor irmão que ele poderia ter. 

Seis anos! 
Como é lindo ver você crescer. E ver que sua história é construída no amor e na inocência. 
Como é alegre notar a leveza como você encara a vida e as manobras naturais que encontra para driblar as pequenas dificuldades que já surgiram no seu caminho. 
Sim, você é um guerreiro. E com tão menos tempo de vida do que eu já passou por situações delicadas, que eu até hoje não sei o que é na prática algumas delas. 
Há seis anos você me ensina a ser mais forte, a encarar a vida com um novo olhar, a acreditar de fato no ser humano, a ter esperança. A cair e levantar sempre que for preciso.
Você me ensina diariamente que sempre há um outro caminho. Que nem sempre é o mais curto, mas muitas vezes o mais sereno e de amor. 



Seis anos! 

Como pode o tempo ter passado tão rápido? 
Cadê aquele bebê que chorava sem parar e me deixava à beira da loucura? 
Cadê aquele gorduchinho que adorava puxar a mochila de rodinhas do irmão, quando ainda nem ia pra escola? 
Cadê aquele bebê bagunceiro, que desde pequeno já gostava de bagunçar, subir, pendurar, escalar e já mostrava que adoraria uma aventura? 
Ah, Rafa... quantas histórias deliciosas já temos juntos, não? 


Seis anos! 
Que descobri o que é ter um filho comilão. E aqui faço um parenteses: eu merecia ter um filho comilão depois de ser mãe de um moleque que não comia absolutamente nada, como seu irmão. 
Que me fez incluir ovinhos de codorna na compra do mês (eu nunca tinha comprado ovo de codorna na vida!), que me levou para um restaurante chinês porque encasquetou que queria comer aquela comida, sem nunca sequer ter experimentado.
Que adora experimentar uma novidade. Que ama abrir o cardápio do restaurante e dizer: "Eu quero escolher o que vou comer!". 




Seis anos! 
Que convivo com um menino que é um misto de descontração e timidez. 
Que consegue transitar entre o prático e resolvido com o medroso e assustado em algumas situações. 
Que é estabanado e brutamontes, mas também carinhoso e adorável. 
Que aprendeu desde cedo a dizer "Eu te amo", "Estava com saudades", "Fica mais pertinho", "Me abraça mais um pouco" desde cedo. 
Que emociona a vovó Ivone todas as vezes que estende as mãozinhas espontaneamente para ajudá-la a andar na rua, quando ela tem dificuldade.

Seis anos! 
Que ganhei um mini chef.
Que descobri uma criança que adora pimenta, água tônica, espinafre e palmito. 
Que prefere beijinho a brigadeiro, coco a chocolate, salgado a doce. 
Que ama Fusca, Harley Davidson e corrida de Fórmula 1. 
Que joga futebol em todas as suas formas: na quadra, no campo, na sala e até futebol de botão. 




É Rafa. Você é único!
Um presentinho que o papai do céu enviou para nós. 
Obrigada por ter esse jeito Rafa de ser. 
E obrigada Deus por nos confiar um filho tão adorável e encantador. 
Amo você! 



quarta-feira, 20 de abril de 2016

PÉROLAS DO RAFA - Como chama o i de ponta cabeça?

"Mãe como chama aquele i de ponta cabeça?"


Rafa, 6 anos, querendo saber como chama o ponto de exclamação!